Adolescente é baleado ao sair para ir ao supermercado no RJ

De acordo com a família do jovem, o adolescente foi atingido enquanto estava voltando para casa após ter ido ao supermercado para comprar sorvete

0

Mais um caso de pessoa atingida por bala perdida foi registrado na região do Complexo do Lins, no Rio de Janeiro, que é onde a designer de interiores Kathlen Romeu, de 24 anos, grávida de quatro meses, foi morta na tarde de terça (08). Desta vez, a vítima é um adolescente de 16 anos.

Mulher Morre E Homem Fica Ferido Após Tiros Em Restaurante Em Copacabana

O caso aconteceu no fim da tarde de quarta-feira (09), no Morro São João, no Engenho Novo, na Zona Norte do Rio. De acordo com a família do jovem, ele foi atingido enquanto estava voltando para casa após ter ido ao supermercado para comprar sorvete.

Após ser baleado no pescoço, o jovem foi encaminhado para o Hospital Salgado Filho, no Méier. Por lá, informou a Polícia Militar (PM) em nota, ele passou por uma cirurgia. Apesar de informar o procedimento, a entidade não revelou qual é o estado de saúde atual do adolescente.

Ainda conforme a PM, que afirmou que investiga de onde partiu o disparo, o tiro atingiu o menor de raspão. Já a família afirma que a bala chegou a ficar alojada no pescoço do adolescente, que está no Rio de Janeiro há apenas um ano – ele veio do Ceará.

Por fim, a PM explicou que estava acontecendo um confronto no momento em que o jovem foi atingido, pois, de acordo com a entidade, agentes da UPP São João foram atacados por criminosos quando se deslocavam na comunidade.

Caso da jovem Kathlen

Nesta quinta (10), a Polícia Civil divulgou que policiais que participaram da ação que vitimou a jovem Kathlen dispararam sete tiros de fuzil. Ao todo, 21 armas de policiais foram apreendidas, pois a corporação investiga o caso e tenta descobrir de onde partiu o disparo.

Em entrevista à “TV Globo”, a mãe da jovem afirmou que sua filha foi morta por um policial militar. “Se a minha filha fosse morta por bandido eu não falaria nada com vocês porque eu sei que eu moro em um lugar que eu não poderia falar. Então ficaria na minha”, começou.

“Mas não foi. Foi a polícia que matou a minha filha. Foi a PM que tirou a minha vida, o meu sonho”, desabafou Jaqueline de Oliveira Lopes.

Entenda:  Jovem grávida morre baleada após ação da PM na Zona Norte do RJ

Veja Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.